segunda-feira, 18 de maio de 2015

Gripe e campanha de vacinação


Gripe é o nome dado a uma doença altamente contagiosa que afeta o sistema respiratório, provocada por um vírus capaz de sofrer mutações com bastante frequência: o Influenzavírus, ou somente influenza. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

Os sintomas, muitas vezes, são semelhantes aos do resfriado, que se caracterizam pelo comprometimento das vias aéreas superiores, com congestão nasal, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar, mialgia e cefaléia. A maioria das pessoas infectadas se recupera dentro de uma a duas semanas sem a necessidade de tratamento médico. No entanto, nas crianças muito pequenas, idosos e portadores de quadros clínicos especiais, o caso pode se complicar e gerar outras doenças graves, como a pneumonia bacteriana ou levando até mesmo ao óbito.

De acordo com o governo, 1.794 pessoas foram internadas no ano passado em decorrência de complicações da gripe e 326 morreram. A cepa H1N1 foi a que provocou o maior número de óbitos (163), seguido do H3N2 (105). Para prevenção dessa doença existe a vacina e todo ano o Governo faz a campanha da vacinação contra a gripe que tem um impacto muito grande na redução da mortalidade causada por essa doença.

A campanha de vacinação contra a gripe de 2015, já começou e vai até o dia 22 de maio. A meta deste ano é imunizar 49 milhões de pessoas. Indicada para a população em geral, porém a dose gratuita disponibilizada nos postos de saúde são para as pessoas que fazem parte do grupo vulnerável que são as crianças de 6 meses a menores de 5 anos, doentes crônicos, idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde, povos indígenas, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, presos e funcionários do sistema prisional, além da população indígena.

A dose via injeção, protege contra os subtipos do vírus influenza: H1N1, H3N2 e B. A vacina é contraindicada a pessoas com histórico de reação anafilática em doses anteriores e a quem tem algum tipo de alergia grave à proteína do ovo, uma vez que a dose é produzida em embriões de galinha.  A vacina usada na campanha contra a gripe é segura e bem tolerada. Em poucos casos, podem ocorrer manifestações de dor no local da injeção ou endurecimento. Além disso, as pessoas que não tiveram contato anterior com os antígenos – substâncias que provocam a formação de anticorpos específicos – podem apresentar mal-estar, mialgia ou febre. Todas estas ocorrências tendem a desaparecer em 48 horas. E a imunização dura cerca de 6 a 12 meses.
 
 
Danielle Renck
Luciano Chaves

 

Fonte: G1, clicrbs e Portal Brasil

sábado, 9 de maio de 2015

Alongamento melhora qualidade de vida da terceira idade.


          Com o passar dos anos é normal que a flexibilidade e elasticidade do nosso corpo diminuam.  Por isso o alongamento pelo menos três vezes ao dia, respeitando os limites do corpo, é recomendado para a terceira idade, pois provoca bem estar e retarda o processo natural de encurtamento dos músculos.

O alongamento é fundamental para qualidade de vida e aptidão física da terceira idade. Pois reduz as tensões e rigidez muscular ao mesmo tempo em que relaxa. Estimula o cérebro a se exercitar também. Embora não seja um exercício que aumenta a frequência cardíaca, o alongamento estimula o metabolismo, combate inflamações e melhora a capacidade cognitiva do nosso organismo.

Atividades simples do dia a dia, como estender roupas, amarrar os sapatos e subir escadas com o passar do tempo podem se tornar mais difíceis, e o alongamento diário pode prevenir que isso aconteça ou retardar esse processo. Alongar vai contra o declínio natural do nosso corpo, por isso quem estica o corpo todos os dias pode ter mais disposição e uma aparência mais jovem.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), para um envelhecimento saudável devemos seguir três pilares e o alongamento está entre eles, seguido de musculação e atividades aeróbicas.  Recomenda-se que esses exercícios sejam feitos pelo menos 30 minutos em cinco dias da semana.
 
Luciano Chaves
Danielle Renck

Fonte: Zero Hora

sábado, 14 de março de 2015

Novo serviço SALUTAR: transporte com assistência e assessoramento ao idoso

 

A SALUTAR, atento as necessidades do idoso criou um novo serviço para facilitar as atividades de vida diária do nosso cliente.
O serviço de TRANSPORTE para:
  • Consultas médicas e exames
  • Compras e supermercados
  • Bancos e pagamentos de contas
  • Passeios  e visitas
O transporte é promovido por automóvel executivo com motoristas cuidadosos e sabedores das necessidades da pessoa idosa.
Atendimento com hora marcada e personalizado.
Agendar pelos seguintes telefones: 51 3344-5117 /51  9973-9336  /51  8411-1174
Falar com Maurício ou Marlene

domingo, 28 de dezembro de 2014

Atividade física na terceira idade


Além dos benefícios convencionais que a maioria das pessoas conhecem, pesquisas recentes revelam novos benefícios e motivos importantes de praticar atividades físicas na terceira idade.

Os exercícios físicos além de manter podem aumentar áreas dos cérebros de idosos. Estudo mostra que idosos que praticaram seis meses de atividades físicas, tiveram aumento nas áreas relacionadas ao raciocínio e memória no cérebro, o que é muito bom para o idoso, já que o processo de envelhecimento está relacionado a diminuição de estruturas do cérebro.

O treinamento com pesos em idosos também mostrou melhora nas estruturas cerebrais ligadas à cognição e à coordenação motora, o que é importante para evitar quedas. Além de os músculos e ossos ficarem mais fortes. E a prática de exercício aeróbico regular melhora a qualidade do sono e o humor, pois a maioria das pessoas passa por um estágio de relaxamento após os exercícios. Isso acontece pela maior produção de endorfinas durante a atividade física. Há também aumento na produção de melatonina, um hormônio envolvido diretamente com a boa qualidade do sono.

Os diabéticos que se exercitam regularmente têm uma taxa menor de complicações relacionadas à doença, como a retinopatia diabética, que acomete a retina em diabéticos não controlados. E muitos estudos em andamento têm mostrado que a prática de esportes é boa até mesmo nos diagnósticos de Alzheimer ou Parkinson.
 
Danielle Renck
Luciano Chaves

 

Fonte: Zero Hora
 
 

 

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Não se considerar idoso aumenta as chances de felicidade, diz pesquisa

A pesquisa Felizômetro de 2014 realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) entrevistou 632 pessoas que já passaram dos 60 anos. Revelou que as pessoas na terceira idade estão mais felizes. Oito em cada dez entrevistados se consideram satisfeitos com seu modo de vida atual.
Outra constatação interessante da pesquisa foi que enquanto o IBGE estima em 81,6 anos a expectativa atual de vida da população brasileira. Os entrevistados dão a si mesmo uma estimativa de 89 anos de idade. O levantamento indicou que a felicidade e saúde são questões inseparáveis para o grupo.
Segundo a psicóloga especializada em terceira idade, Simone Bracht a questão não é chegar à terceira idade e sim não se sentir velho. Todas as pessoas ao chegar à terceira idade vão passar por transformações que são normais e esperadas no corpo, como por exemplo, se sentir mais lento e precisar de óculos. E quem aceitar melhor essas perdas naturais e limitações consegue se sentir melhor consigo mesmo e por conseqüência ser mais feliz.
 
Além da saúde e do sentimento de não pertencimento ao grupo de terceira idade, outros fatores destacaram-se como importantes para aumentar as chances de atingir a felicidade. O índice ‘“Felizômetro” mostra que a independência na hora de consumir (14,5%), o fato de não precisar fazer empréstimos para adquirir produtos que não tinham acesso antes (13,9%), ter condições de gerir as próprias contas livremente (7,6%) e manter uma vida financeira melhor do que no tempo em que eram jovens (6,8%) são outros fatores que pesam consideravelmente para aumentar a probabilidade de ser feliz na vida dos idosos.
Aproveitar o tempo livre também é importante, atividades de lazer realizadas com muito mais frequência podem impactar em até 6,3% as chances de satisfação com o modo de vida. Ao mesmo tempo em que valorizam a diversão, os entrevistados mostram que os rumos da vida profissional têm peso na consolidação da própria felicidade: esse ponto  tem potencial para elevar a probabilidade de felicidade em 5,6%. Pois o fato de terem uma ocupação e se sentirem produtivos são fator chave da felicidade para quem está numa fase cuja imagem é construída como alguém improdutivo.
 
 
 
 
 
 
Danielle Renck
Luciano Chaves
Fonte: Zero Hora
 

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Doença de Alzheimer e qualidade de vida: uma realidade possível!


Envelhecimento não é sinônimo de doença, pois é possível envelhecer com saúde e qualidade de vida. O envelhecimento com ou sem doenças depende de fatores biopsicossociais, ou seja, as pessoas envelhecem de formas diferentes de acordo com os seus hábitos de vida e genética.

Mas durante o processo de envelhecimento podemos nos deparar com a Doença de Alzheimer que é uma das doenças que está em evidência na atualidade. Para buscar uma vida com mais qualidade o tratamento deve envolver diversas áreas da saúde em uma atuação transdisciplinar (fisioterapia, nutrição, psicologia, farmácia, enfermagem, etc...). A família e os cuidadores também devem ser incluídos no tratamento, como uma forma de estarem mais presentes e serem auxiliados e orientados em todos os âmbitos que a doença exige, desde um simples banho até como realizar atividades cognitivas e como proceder para o autocuidado, a fim de não adoecerem juntos.

Além do tratamento medicamentoso, exercícios físicos, alimentação adequada e os cuidados pessoais, devemos também desenvolver estratégias compensatórias de adaptação para estimular o paciente no que desrespeito as funções cognitivas comprometidas e realização de atividades diárias, conhecida também como estimulação cognitiva ou reabilitação cognitiva.

 Essa estimulação cognitiva como alternativa de tratamento não medicamentoso à Doença de Alzheimer se faz importante não só para o treino das funções cerebrais perdidas como também no controle de outros sintomas, promovendo assim o bem estar do paciente e o ajudando a viver melhor com as limitações que a doença lhe impõe.

 Estudos comprovam que quanto mais cedo o diagnóstico da Doença de Alzheimer for feito, mais efetivo é o tratamento. Por isso a importância da troca de conhecimentos e experiências e, principalmente, de informar a população sobre a doença, sintomas iniciais, alternativas de tratamento medicamentoso e não medicamentoso, e formas de se lidar com a pessoa no dia a dia.
 
Danielle Renck
Luciano Chaves
 
Fonte: Portal do Envelhecimento

domingo, 2 de novembro de 2014

Dia mundial do AVC chama a atenção para a doença que mais mata no Brasil


           No Brasil, o acidente vascular cerebral (AVC) ou derrame cerebral faz uma vítima a cada cinco minutos e atinge mais mulheres do que homens.

A proporção de vítimas da doença nos homens é de um a cada seis enquanto entre as mulheres é de uma a cada cinco. Pois elas possuem além dos fatores de riscos comuns a ambos os sexos (pressão alta, colesterol elevado, tabagismo, diabetes e arritmia cardíaca) alguns mais específicos como a gravidez, o uso de pílulas anticoncepcional e a reposição hormonal após a menopausa. Também, as mulheres tendem a viver mais em relação aos homens e o AVC costuma acometer as pessoas em idade mais avançada.

No dia 29 de outubro foi celebrado o Dia Mundial do AVC. Especialistas e voluntários se unem para desenvolver ações para alertar a população sobre os fatores de riscos da doença e as melhores formas de preveni-la. Esse ano a campanha mundial promovida pela Organização Mundial do AVC (WSO), foi batizada de "Eu sou mulher, o AVC me afeta". Em Porto Alegre, aconteceu uma corrida no sábado (01/11/2014) na Redenção para promover a prevenção.

Se adequadamente tratados, 90% dos AVCs podem ser evitados, por isso é importante ficar alerta nos principais sintomas que são fraqueza, formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo, confusão, alteração da fala e/ou compreensão, alteração na visão (em um ou ambos os olhos), alteração do equilíbrio, coordenação, tontura, alteração no andar e dor de cabeça súbita e intensa, sem causa aparente.

 

Danielle Renck

Luciano Chaves