quinta-feira, 18 de junho de 2015

Glaucoma

          O glaucoma é uma doença que ocorre quando existe um aumento da pressão intraocular, o que pode levar à lesão do nervo ótico, comprometendo definitivamente a visão. A principal causa de cegueira irreversível no país, com mais de um milhão de casos registrados.

A doença é perigosa porque normalmente não apresenta sintomas até estar em um estagio avançado, sua evolução é silenciosa. Os pacientes não sentem nada até que comecem a perder parte da visão, e nesse momento, o dano instalado  é irreversível. Pode ocorrer em qualquer idade, mas costuma aparecer a partir dos 40 anos. Atingindo cerca de 2% dos brasileiros acima de 40 anos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem aproximadamente 65 milhões glaucomatosos em todo o mundo, a cada ano surgem mais 2,4 milhões de novos portadores da doença.

Pessoas com mais de 40 anos, negros, diabéticos, pessoas que fazem uso prolongado de corticosteroides e quem tem casos de glaucoma na família estão mais sujeitos a desenvolver a doença. Para a prevenção é importante consultar uma vez por ano o oftalmologista, principalmente as pessoas com fatores de riscos. O exame é simples e rápido. Em menos de cinco minutos, o paciente fica sabendo o nível da pressão ocular.

O tratamento inicial é clinico, a base de colírios ou com medicamentos via oral, para pacientes em casos mais avançados a recomendação é tratamento cirúrgico.

 
Danielle Renck

Luciano Chaves

 
Fonte: Zero Hora

 

 

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Porto Alegre tem maior taxa de pessoas com pressão alta do país


Segundo uma pesquisa realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 24,8% da população brasileira adulta tem pressão alta. A maioria dos casos são mulheres (26,8%), enquanto os homens são 22,5% dos registros. Metade da população de idosos tem hipertensão.

Entre as capitais do Brasil, Porto Alegre (RS) indicou maior número de pessoas com hipertensão sendo 29,5% e Palmas (TO) com o menor número de casos. A pesquisa indica que a quantidade de hipertensos aumenta com o avanço da idade e com a diminuição da escolaridade. A hipertensão responde por 72% dos casos de mortes da população brasileira, segundo a diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde.

Os fatores de riscos dessa doença, incluem o tabaco, o consumo de bebidas alcoólicas, alto consumo de sal, carnes com gordura e de açúcar em excesso. Sobre o consumo de sal em excesso apenas 2,3% das pessoas entrevistadas na pesquisa admitem ter o consumo muito alto. Já 13, 2% relatam ter consumo alto e 47,9% consideram consumo de sal adequado.

A retirada de sal de alimentos tem um impacto fundamental em relação a pressão alta. Recomenda- se também evitar alimentos processados, priorizando os in natura e ficar atento no modo de preparo das refeições, evitando o excesso de sal e gordura.
 

Danielle Renck

Luciano Chaves

 
Fonte: Zero Hora