quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Doença de Alzheimer e qualidade de vida: uma realidade possível!


Envelhecimento não é sinônimo de doença, pois é possível envelhecer com saúde e qualidade de vida. O envelhecimento com ou sem doenças depende de fatores biopsicossociais, ou seja, as pessoas envelhecem de formas diferentes de acordo com os seus hábitos de vida e genética.

Mas durante o processo de envelhecimento podemos nos deparar com a Doença de Alzheimer que é uma das doenças que está em evidência na atualidade. Para buscar uma vida com mais qualidade o tratamento deve envolver diversas áreas da saúde em uma atuação transdisciplinar (fisioterapia, nutrição, psicologia, farmácia, enfermagem, etc...). A família e os cuidadores também devem ser incluídos no tratamento, como uma forma de estarem mais presentes e serem auxiliados e orientados em todos os âmbitos que a doença exige, desde um simples banho até como realizar atividades cognitivas e como proceder para o autocuidado, a fim de não adoecerem juntos.

Além do tratamento medicamentoso, exercícios físicos, alimentação adequada e os cuidados pessoais, devemos também desenvolver estratégias compensatórias de adaptação para estimular o paciente no que desrespeito as funções cognitivas comprometidas e realização de atividades diárias, conhecida também como estimulação cognitiva ou reabilitação cognitiva.

 Essa estimulação cognitiva como alternativa de tratamento não medicamentoso à Doença de Alzheimer se faz importante não só para o treino das funções cerebrais perdidas como também no controle de outros sintomas, promovendo assim o bem estar do paciente e o ajudando a viver melhor com as limitações que a doença lhe impõe.

 Estudos comprovam que quanto mais cedo o diagnóstico da Doença de Alzheimer for feito, mais efetivo é o tratamento. Por isso a importância da troca de conhecimentos e experiências e, principalmente, de informar a população sobre a doença, sintomas iniciais, alternativas de tratamento medicamentoso e não medicamentoso, e formas de se lidar com a pessoa no dia a dia.
 
Danielle Renck
Luciano Chaves
 
Fonte: Portal do Envelhecimento

domingo, 2 de novembro de 2014

Dia mundial do AVC chama a atenção para a doença que mais mata no Brasil


           No Brasil, o acidente vascular cerebral (AVC) ou derrame cerebral faz uma vítima a cada cinco minutos e atinge mais mulheres do que homens.

A proporção de vítimas da doença nos homens é de um a cada seis enquanto entre as mulheres é de uma a cada cinco. Pois elas possuem além dos fatores de riscos comuns a ambos os sexos (pressão alta, colesterol elevado, tabagismo, diabetes e arritmia cardíaca) alguns mais específicos como a gravidez, o uso de pílulas anticoncepcional e a reposição hormonal após a menopausa. Também, as mulheres tendem a viver mais em relação aos homens e o AVC costuma acometer as pessoas em idade mais avançada.

No dia 29 de outubro foi celebrado o Dia Mundial do AVC. Especialistas e voluntários se unem para desenvolver ações para alertar a população sobre os fatores de riscos da doença e as melhores formas de preveni-la. Esse ano a campanha mundial promovida pela Organização Mundial do AVC (WSO), foi batizada de "Eu sou mulher, o AVC me afeta". Em Porto Alegre, aconteceu uma corrida no sábado (01/11/2014) na Redenção para promover a prevenção.

Se adequadamente tratados, 90% dos AVCs podem ser evitados, por isso é importante ficar alerta nos principais sintomas que são fraqueza, formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo, confusão, alteração da fala e/ou compreensão, alteração na visão (em um ou ambos os olhos), alteração do equilíbrio, coordenação, tontura, alteração no andar e dor de cabeça súbita e intensa, sem causa aparente.

 

Danielle Renck

Luciano Chaves